O Neolítico teria entrado na Península Ibérica pelo Norte da África

O Neolítico teria entrado na Península Ibérica pelo Norte da África

O Neolítico Foi um período em que passou da economia nômade para a sedentária, baseada na agricultura e pecuária, e muito se tem discutido sobre como poderia ter chegado ao Península Ibérica.

Um estudo realizado pela Universidade Autónoma de Madrid, a Universidade de Sevilha e o Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) e outras universidades espanholas, portuguesas e americanas, concluiu que poderiam ter alcançado as duas vias conhecidas por uma terceira via, e é a partir a norte da áfrica. O estudo foi publicado na revista 'Quaternary Research'.

Até agora, duas rotas foram aceitas: aquele que se identifica com a primeira expansão da margem do zona norte do Mar Mediterrâneo; o segundo teria sido pelo mar, quando chegaram às Ilhas Baleares de Chipre. A nova pesquisa, no entanto, propõe um terceira rota do norte da África, de acordo com as evidências do Neolítico que se encontraram no sul da Península Ibérica.

Como parte do projeto, os pesquisadores datam uma série de amostras orgânicas do Neolítico, como animais de estimação, tipos de cereais cultivados, que permitem estabelecer a entrada neolítica no sul da Espanha 7.500 anos atrás, uma data semelhante à de outras áreas da península.

Mas, apesar da coincidência de datas, a cultura material das regiões meridionais é muito diferente da documentada por outras áreas ibéricas, o que sugere um fenómeno independente das restantes. A pesquisa mostra que quando a população do Neolítico chegou, grandes mudanças estavam em andamento no clima e ecossistema dentro e ao redor do Mediterrâneo Ocidental.

Os autores do estudo foram capazes de reconstruir os primórdios, que partem de cifras de diferentes registros climáticos de alta resolução, tanto marítimos como arqueológicos, incluindo a substituição de espécies de peixes do Atlântico Norte, como o bacalhau, enquanto povoavam a encosta mediterrânea de Málaga (Andaluzia) com outras espécies exclusivas do Mediterrâneo, que ainda hoje podem ser encontradas. A crise causada pelas mudanças climáticas atingiu fortemente o povo Neolítico do Saara, o que, segundo estudos anteriores, obrigou a população a um êxodo em massa de seus assentamentos.

A pesquisa mostra que mudanças ambientais Também tiveram repercussões para os povos que habitavam a península no Mesolítico, cuja economia se baseava na caça, na coleta e nos recursos do mar. O estudo mostra que é aqui que se registam os depósitos de abandono pré-neolítico mais significativos.

Acredita-se que as mudanças ambientais foram aqueles que levaram a população do Norte da África a cruzar o Estreito de Gibraltar e chegar ao sul da Espanha, onde rapidamente se integraram a um estilo de vida voltado para a produção, a agricultura e a pecuária, dando início ao Neolítico e a uma nova dimensão cultural.

A pesquisa identificou a origem da expansão do Norte da África no Cidade de Oran (Argélia), desde onde Os colonizadores neolíticos chegaram à Península Ibérica.

Fonte: ANSA
Imagem: Domínio público

Graduado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual, desde pequeno me sinto atraído pelo mundo da informação e produção audiovisual. Paixão por informar e ser informado do que está acontecendo em cada canto do planeta. Da mesma forma, tenho o prazer de participar na criação de um produto audiovisual que mais tarde irá entreter ou informar as pessoas.Os meus interesses incluem o cinema, a fotografia, o ambiente e, acima de tudo, a história. Considero fundamental conhecer a origem das coisas para saber de onde viemos e para onde vamos. Interesse especial por curiosidades, mistérios e eventos anedóticos em nossa história.


Vídeo: A ARQUITETURA do NEOLÍTICO