A crise de 29 ', a Grande Depressão

A crise de 29 ', a Grande Depressão

Com a crise econômica que atravessa nossa sociedade atual, é fácil olhar para trás e comparar com as grandes crises que afetaram o mundo nos últimos tempos. Mas há um que soa mais alto do que outros: o Crise de 29 ' onda Grande Depressão, também conhecido como "Quebra de Wall Street"Ou"Rachadura de 29"". É um dos maior crise econômica da história.

Após a Primeira Guerra Mundial, os novos países resultantes da guerra começaram a progredir. Eles falam sobre o 'felizes anos vinte'. Além disso, os Estados Unidos despontam como a grande potência econômica e industrial. Seu crescimento industrial, baseado principalmente nas teorias de Taylor e Ford, foi extraordinário.

No entanto, o setor primário não cresceu da mesma forma, mas muito mais devagar, então houve um êxodo do campo para a cidade. O clima de bonança era tal que grande parte da população decidiu adquirir ações em empresas industriais.

Na verdade, quase um décimo da população investiria suas economias no mercado de ações. Por trás disso, a partir de 1927 os financistas de Wall Street decidiram focar sua atenção no mercado interno. Esse fato aumentou os valores das empresas norte-americanas e com isso, os problemas.

O principal Causas da crise de 29 ' são três. No primeiro lugar, uma superprodução agrícola o que leva ao aumento dos produtos no mercado e, portanto, à queda dos preços e da renda rural. Produz-se mais do que se consome e, por não vender, começam a ocorrer demissões.

Em segundo lugar está o subconsumo industrial camuflado e mantido graças aos créditos, que a população se acostume a pedir para comprar o que quer. Y terceiro, e o mais importante, especulação do mercado de ações mencionado acima pelos financiadores de Wall Street, que rendeu dinheiro rápido, embora as ações estivessem supervalorizadas.

Em 22 de outubro de 1929, as ações pararam de subir e começaram a cair até quinta-feira, 24, assume proporções catastróficas, um dia que ficou para a história como o "Quinta-feira negra”. As ações foram vendidas para tentar economizar o máximo de dinheiro possível e houve uma bola de neve: como resultado, o preço das ações caiu cada vez mais rapidamente. Até 12 milhões de ações foram vendidas em um único dia.

Então veio o chamado 'Terça-feira negra', Em que o mercado de ações quebrou, como resultado do prejuízo de 24 bilhões de dólares em apenas uma semana. Isso levaria especuladores à falência e paralisaria as vendas a crédito.

O pânico espalhou-se pela população. A resposta dele foi vá aos bancos para sacar todas as economias eles tinham, mas eles não podiam pagar esse dinheiro, uma vez que tinha sido investido em empréstimos ou investidores, o que produziu a falência em cadeia dos bancos (quase 4.000 em apenas três anos) e o conseqüente suicídio de empresários e financistas.

O desemprego disparou, o que levou ao fechamento de várias empresas e em 1933 havia 14 milhões de desempregados. O Governo poderia ter tentado salvar a situação e impor calma, mas decidiu não intervir, apenas esperando o tempo passar e ver se se resolvia.

Devido à forte dependência que a Europa tinha dos Estados Unidos, a crise também a afeta. A redução das importações americanas ou o repatriação de bancos americanos foram alguns dos efeitos. A Áustria é um dos primeiros afetados pela quebra de vários de seus bancos.

Com a A ascensão de Roosevelt ao poder em 1933, o conhecido “Novo acordo", Baseado em Ideias de Keynes que permitisse a intervenção do Estado quando a situação o exigisse.

Entre as medidas que continha estava o favorecimento do investimento, do crédito e do consumo, o que levaria à redução do desemprego. Houve ajuda para bancos e subsídios para fazendeiros. Também foram propostos aumento de salários e redução da jornada de trabalho. Além disso, foram elaborados planos de saúde e um novo sistema de aposentadoria e pensão.

É uma crise que não terminaria até meados de 1939, ano em que o Segunda Guerra Mundial.

Graduado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual, desde pequeno me sinto atraído pelo mundo da informação e produção audiovisual. Paixão por informar e ser informado do que está acontecendo em cada canto do planeta. Da mesma forma, tenho o prazer de participar na criação de um produto audiovisual que mais tarde irá entreter ou informar as pessoas.Os meus interesses incluem o cinema, a fotografia, o ambiente e, acima de tudo, a história. Considero fundamental conhecer a origem das coisas para saber de onde viemos e para onde vamos. Interesse especial por curiosidades, mistérios e eventos anedóticos em nossa história.


Vídeo: A CRISE DE 2008 Segundo a Escola Austríaca - DUBLADO