Pesquisadores afirmam que há restos humanos no Titanic

Pesquisadores afirmam que há restos humanos no Titanic

Algumas autoridades norte-americanas afirmam que "pode ​​haver restos humanos misturados à lama" no Oceano Atlântico Norte, onde afundou o titânico. A prova a que se referem é uma fotografia de 2004 mostrada ao público pela primeira vez esta semana, por ocasião do centenário do acidente do luxuoso navio. O instantâneo mostra um casaco e botas na lama no local do lendário naufrágio.

O diretor de patrimônio marítimo da administração Oceanos e Atmosfera Nacionais (NOAA), James Delgado, destaca que “Não são botas que caíram por engano de uma mala bem ao lado uma da outra, mas a forma como estão dispostas mostra que havia um corpo ali”.

A imagem foi tirada com outras duas fotografias que também mostram pares de botas deitados juntos.. Todos eles foram capturados em 2004 por uma expedição organizada pela NOAA e da qual participou o famoso pesquisador do Titanic, Robert Ballard. Eles foram publicados no livro de Ballard sobre a expedição. Delgado afirma que a foto que mostra as duas botas e o casaco foi cortada para mostrar apenas uma bota.

Como contraponto a essas teorias, o cineasta, James cameron, que visitou o local do acidente 33 vezes e que afirma ter visto “zero restos humanosDurante todas as suas explorações do Titânico. O cineasta explica: “Vimos pares de sapatos que podem sugerir que um dia houve um corpo ali. Mas nunca vimos restos humanos”.

Para Delgado, que foi o cientista-chefe da expedição que em 2010 mapeou completamente o local do acidente, a diferença entre as palavras de Cameron e as suas é uma questão semântica. Vendo a fotografia do casaco e das botas, comenta que “como um arqueólogo", ele diria"que são restos humanos”. Ele defende que entre aquele sedimento de lama, "certamente há restos mortais da pessoa que os levou“E, ao mesmo tempo, critica que as imagens são exemplos que a sociedade poderia fazer”melhor trabalho protegendo o local do naufrágio”.

Tem havido uma longa luta para proteja o Titanic desde que foi redescoberto por Ballard em 1985. A primeira tentativa foi com um ato federal do Congresso dos Estados Unidos que tentou criar acordos internacionais para transformar a zona de naufrágio em um memorial marítimo internacional. O último deles vem em uma proposta do senador John Kerry. O político pediu em 1º de abril uma legislação mais rígida para proteger a área do “investigação intrusiva e selvagem”.

Apesar de todas as medidas possíveis do governo dos EUA, O Titanic tem um grande problema: está em águas internacionais. Por esse motivo, James Delgado está empenhado em criar um tratado internacional entre o Reino Unido, Canadá, França e Estados Unidos que proteja os restos do luxuoso transatlântico de saques e possível exploração ilegal que possa danificar seu patrimônio.

Apaixonado por História, é formado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual. Desde pequeno amou história e acabou por explorar os séculos XVIII, XIX e XX sobretudo.


Vídeo: TITANIC - fotos no fundo do mar.