Um novo estudo mostra que Marco Polo conseguiu chegar à China

Um novo estudo mostra que Marco Polo conseguiu chegar à China

Um estudo aprofundado de fontes chinesas realizado pela Universidade de Tübingen (Alemanha), elimina dúvidas sobre se o explorador Marco Polo realmente chegou à China. Tem sido afirmado que Marco Polo Na verdade, ele não chegou à China, mas elaborou suas informações por meio do que os mercadores lhe contaram e do que leu em suas viagens ao Mar Negro, Constantinopla e Pérsia.

Mas o explorador estava na China. Pelo menos, é o que o livro revela "Moedas, sais e receitas”Publicado pelo professor de estudos chineses da Universidade de Tübingen, Hans Ulrich Vogel. Em sua escrita, põe fim a esses rumores, dando uma olhada detalhada em todos os argumentos a favor e contra.

Mais longe, complementa com testes encontrados na literatura relevante da China, Japão, Itália, França, Alemanha e Espanha. O resultado é devastador: além de alguns problemas bem conhecidos com textos de Marco Polo, todos eles são discutidos por um grande número de depoimentos sobre a China que contêm informações exclusivas.

As dúvidas sobre a presença de Marco Polo na China começaram a surgir em meados do século XVIII. Céticos apontam que Marco Polo não mencionou o Grande parede. Mas estudos, tanto orientais quanto ocidentais, explicam que a Grande Muralha é produto da dinastia Ming (1368-1644) e que as barreiras defensivas anteriores há muito haviam sido dissolvidas e não se assemelhavam à famosa construção em tamanho ou relevância. China.

Outro argumento que geralmente aparece nos textos que duvidar da veracidade dos documentos de Marco Polo é que nem Marco, nem seu pai, nem seu tio aparecem em qualquer documento chinês. Mas essa afirmação superestima o valor dos registros chineses que nem mesmo registram a viagem de Giovanni de Marignolli (1290-1357) Como Enviado do papa. De Marignolli fez aquela viagem com outros 32 homens e nada é mencionado, apenas a homenagem de um “cavalo celestial" do "reino dos francos”, sem sequer mencionar o nome do Papa que o enviou.

A pesquisa do professor Vogel vai ao ponto de analise palavra por palavra as descrições de Marco Polo de moedas, produção de sal e a receita do monopólio do sal. Destas investigações aprofundadas, conclui-se que nenhum observador ocidental, árabe ou persa jamais relatou a situação na China com tantos detalhes e precisão.

O explorador veneziano é o único que descreve com precisão como o papel para notas foi feito. Ele explicava o complicado processo de extraí-lo da casca da amoreira e não só descreve a forma e o tamanho do papel, mas também o uso de selos e várias denominações para as notas.

Ele também é o único a relatar que essas moedas não estão em circulação em toda a China e que eles estão disponíveis apenas no norte e nas regiões próximas a Yangtze. Esta informação foi contrastada por fontes chinesas e por amostras arqueológicas que foram traduzidas muito depois da morte de Marco Polo, então o explorador não poderia ter lido em seu tempo, sem saber chinês.

A descrição da produção de sal também é muito precisa e única. Faça uma lista dos centros de produção de sal e das administrações que os gerem. Para Vogel, os escritos de Marco Polo sobre o valor do sal e como ele foi produzido mostram que “Eu sabia do que estava falando”.

The Venetian Explorer filho, uma avaliação de quanto valia o sal produzido. Séculos depois, na literatura que foi escrita sobre o mesmo assunto ("Monies, Markets and Finance in China and East Asia, 1500-1900", DFG Research Training Group 596) e, após análise desses textos, a professora Vogel concluiu que Marco Polo estava de fato na China, uma vez que os valores coincidem com alta precisão.

Apaixonado por História, é formado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual. Desde pequeno amou história e acabou explorando os séculos XVIII, XIX e XX sobretudo.


Vídeo: The Travels of Marco Polo Book Review