Restos mortais de mamute encontrados no México

Restos mortais de mamute encontrados no México

o restos de um mamute que viveu cerca de 15.000 anos atrás foram encontrado no centro do México. Restos de ossos bem preservados de um mamute que viveu algum 10.000 ou 15.000 anos foram descobertos no estado mexicano central de Queretaro, conforme relatado pelo Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH).

Restos mortais de mamute encontrados no México

O INAH informou na sexta-feira em comunicado que os restos mortais, entre os quais duas longas presas se destacam Além de um fragmento de crânio e duas outras peças ainda identificadas, foram encontrados no município de Huimilpan em uma área erodido por inundaçõesque expôs os ossos.

O documento dizia que segundo relatório das autoridades municipais, técnicos do INAH deslocaram-se ao local para verificar descoberta, avaliando o estado de conservação dos fósseis e procedendo à sua recuperação. Os fósseis serão levados ao centro do INAH em Queretaro, onde a umidade acumulada vai secar então aplique um tratamento especial para endurecer e obter sua densidade original. Uma vez estabelecido, você pode começar sua restauração.

Especialistas responsáveis ​​pela escavação e recuperação afirmam que os restos mortais estão em um bom estado de conservação e eles acrescentam que as presas são de 1'8 metros de comprimento. Pela idade dos restos do esqueleto, a antropóloga física Israel Lara Barajas afirma que este tipo de fauna habitou a área entre 10.000 e 15.000 anos atrás, algo corroborado por descobertas outros fósseis do Pleistoceno na área nos últimos 20 anos.

Lara Barajas destaca o quão importante é que as pessoas relatar essas descobertas ao INAH para que os fósseis possam ser recuperados 'no local'E porque contribui para proteção e conservação do patrimônio paleontológico e arqueológico nacional.

É muito importante estabelecer contactos com os municípios, forjar uma aliança com o povo e as autoridades e responder o mais rapidamente possível para relatar descobertas de vestígios arqueológicos, pois assim nos tornaremos guardiães do nosso património cultural.”, diz o especialista.

Graduado em Jornalismo e Comunicação Audiovisual, desde pequeno me sinto atraído pelo mundo da informação e produção audiovisual. Paixão por informar e ser informado do que está acontecendo em cada canto do planeta. Da mesma forma, tenho o prazer de participar na criação de um produto audiovisual que mais tarde irá entreter ou informar as pessoas.Os meus interesses incluem o cinema, a fotografia, o ambiente e, acima de tudo, a história. Considero fundamental conhecer a origem das coisas para saber de onde viemos e para onde vamos. Interesse especial por curiosidades, mistérios e eventos anedóticos em nossa história.


Vídeo: Nova descoberta aumenta dúvida sobre desaparecimento dos dinossauros